sábado, 26 de abril de 2008

I'll keep you my dirty little secret...

Partilhar
Quando criança, eu era daquelas menininhas que sonhava .E sonhava. E coomo eu sonhava! E até hoje, posso dizer que ainda sou, acima de tudo, uma sonhadora. O que acontece é que quando a gente cresce, as nossas concepções mudam, mas com sorte, a essência fica.
Com uns 3 anos, eu gostava de brincar no escorregador. Quanto mais alto, melhor. A sensação de estar nas alturas, o friozinho na barriga na descida...nada melhor. O tempo foi passando, o escorregador foi ficando cada vez mais baixinho, porque eu crescia. Não só eu, como o meu medo também. Aquela inocência foi regredindo, e aos poucos, eu já tinha noção de que, se algo desse erado, eu poderia cair, me machucar...o medo de sofrer saiu do plano do playground e passou pra minha vida concreta. E só com mais um pouquinho de tempo, eu pude ver que cai e se machuca quem sobe no alto do escorregador e sente aquela sensação única. E jogar essa última parte fora seria muito desperdício de coragem, que eu sempre soube que tinha um bom estoque.
"Tell me all that you've thrown away...Find out games you don't wanna play"
Com uns 8 anos, eu gostava de brincar de barbie. Nunca gostei de brincar de boneca, talvez porque a vocação e o coração de mãe eu já sabia que tinha. Mas a personalidade pegadora e popular das barbies era só ilusão mesmo. Nas vidas fictícias delas, havia sempre o namorado super lindo, as amigas que a amavam, o corpo perfeito. Mascarando a personalidade frágil da menina de 8 aninhos, que nunca tinha tido um namoradinho, os amigos nem sempre mostravam amor por ela, e pra piorar, era gordinha. Mas o tempo também a mostrou que primeiro ela deveria ser forte. Fortalecer sua personalidade, porque só assim, gostando de si mesma, é que alguém teria como gostar dela. E a aparência, é algo que ela ainda não fez totalmente as pazes.Mas tudo se resolve. E ela sabe desde sempre, que apesar de tudo isso, por dentro a barbie é toda de plástico. "When we live such fragile lives...It's the best way we survive"
E hoje, com uns 16 anos, essa menina que vos fala ainda se considera medrosa. Mas não foi só essa a única herança que ela trouxe da infância. Aqui dentro, ainda se encontra muito medo sim, mas por cima dele, muita coragem e muita vontade de realizar os sonhos. Aqui dentro, há um grande paradoxo, da menina que é forte na personalidade, nos seus objetivos, mas ao mesmo tempo, fraca nos obstáculos, nas coisas sobre as quais não tem controle. Mas aqui dentro ainda se encontra, e com um bom excedente, uma fé imensa. E esperança maior ainda.



texto inspirado no meu momento atual e na música "Dirty Little Secret", do All American Rejects.Não deixem de ouvir !!
ah, e eu realmente tenho um segredinho pra contar: para mim,a sensação de subir no escorregador mais alto e o friozinho na barriga na descida é a mesma com 16 ou 3 anos ;]
Partilhar

terça-feira, 22 de abril de 2008

Um viva à mulher-melancia!

Partilhar
Dança da motinha ou dança do créu? Boladona ou atoladinha? Preparada, tchutchuca ou cachorra? Ou tudo isso junto, a favor da diversão? Diversão essa que muitas vezes é u tapinha que dói na cabeça dos mais conservadores.
Não é novidade pra ninguém que o funk tem letras que constantemente fazem apologia ao sexo e ao crime organizado. Também não é surpresa que realmente acontece tráfico de drogas e sexo em vários bailes funk, hoje espalhados por todo lugar. Mas não se deve condenar esse ritmo por causa das atitudes de alguns de seus adeptos. Todo mundo, repito, todo mundo odeia a generalização. Então por que praticá-la justo com o funk, que não faz diferença nem exclui ninguém?
É som de preto? É. De favelado? Aham. Mas a máxima dessa música é: "quando toca, ninguém fica parado!". Não dá pra negar que a batida do funk é irresistível. E não é recriminando suas letras e/ou seus Mc's que alguma coisa vai mudar na realidade do nosso país. Loogo, qual é o problema em botar o Furacão 2000 pra tocar e se jogaar no som??
Uma das grandes mentes pensantes do funk, Tati Quebra-Barraco, fez a seguinte citação:"Sou feia, mas tô na moda". Com o funk, é a mesma coisa; e eu torço para que essa moda não acabe tão cedo. Ou vai dizer que você nunca deu uma balançadinha ou pelo menos uma gargalhada com o créééu?! ;D
Proponho um viva! à mulher-melancia, à lacraia, ao Mc Marcinho e à todos os ícones da geração funkeira(e popozuda), que conseguem transformar sua muitas vezes dura realidade em música, e entreter tanta gente no nosso Brasil!


PS: esse texto foi escrito às 11:15 da manhã, na aula de química.
a autora não se sentia nem um pouco glamurosaaa, muito menos rainha do funk.
Partilhar

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Sua Alteza Real, A Princesa

Partilhar
"9:00 da manhã no reino de Fernanda. Os passarinhos cantam, os raios de sol brilham nas planícies e realçam a beleza dos coloridos campos de flores. A bela princesa se levanta, se olha no espelho, que sorri para ela, e se sente plenamente satisfeita com o que ele reflete(isso acontece desde que ela fez as pazes com suas imperfeições).
Ela veste seu mais lindo vestido e desce as escadas de seu castelo para tomar café da manhã. Fernanda faz seu desjejum com tudo o que mais gosta de comer, sem se preocupar com calorias ou gordura trans. Ela resolve tomar um ar no seu quintal, com um mundo de hectares, e encontra seu belo príncipe, montado num cavalo branco, a esperando para um passeio ao redor do lago. A afnidade entre a alma dos dois pode ser vista por qualquer um que reparar no brilho de seus olhos. Eles param para alimentar os patos do lago, tratando com igualdade os patinhos feios e os cisnes. De volta ao castelo, eles se despedem, para que cada um cuide de suas atividades; a individualidade deles é intocável. O beijo de despedida é longo, apaixonado e doce, quase faz com que a bela princesa quase adormeça novamente.
Mas já são duas horas da tarde, Fernanda não tinha se dado conta do passar do tempo, pois o relógio biológico é o que impera dentro dela. O almoço é servido, sua avó fez a comidinha que ela mais gosta: arroz, feijão, bife, salada e batatas fritas. Ela se senta à mesa com sua família, que apesar de não dividir mais a casa com ela, são seu passado, presente e futuro.
Após o almoço, ela se reúne com suas melhores amigas para tomar o milk-shake da tarde e conversar sobre moda, beleza homens, politica e cultura. Sim, são todas princesas, mas essa realeza não é burra, nem ociosa. Quando vai chegando o fim da tarde, cada uma vai para seu castelo, se arrumar para a grande festa da noite, no castelo de Fernanda.
Depois que as amigas vão embora, ela vai até sua varanda e fica, por muito tempo, observando o pôr-do-sol e pensando. Pensa e escreve, dois dos seus maiores hobbies. Só pára quando o sol a lembra que só volta no dia seguinte, e que é hora de preparar a festa.
Ela vai para a cozinha, ajuda as cozinheiras com os quitutes e faz o brigadeiro, com recheio de amor e cobertura de carinho. Depois, ela sobe para seus aposentos, toma um banho que não é revigorante nem relaxante, porque ela não se sente nem cansada, nem sem vida. O banho é apenas gostoso, e isso é suficiente. A princesa abre o armário e pela primeira vez, não tem dúvidas: é aquele, somente aquele, o vestido que ela deve usar naquela noite. Não era cheio de pedrarias, nem cheio de peles de animais, aliás, nem a etiqueta era lá essas coisas. Mas, incrivelmente, ela se sentia bem demais vestida com ele para trocá-lo por qualquer outra roupa. O cabelo e a maquiagem também não demoram, ela logo ela está pronta para receber seus amigos. Pórém, a primeira coisa que recebe, é um elogio de seu príncipe; e mesmo se seu dia tivesse sido péssimo, depois disso, já teria valido.
Seus amigos e família chegam, suas músicas preferidas tocam, ela sente que não há exemplo de felicidade maior do que aquele que ela vive, por isso decide fazer um discurso.

Ela diz que aquele dia tinha sido um sonho, do qual ela sabia que teria que acordar. Mas que antes que isso acontecesse, ela gostaria sempre de lembrar que todos podemos adaptar nossos sonhos, nossos valores e nossa essência à nossa realidade. Que todo dia deve ser aproveitado, mesmo os maus dias, devem ser aproveitados para que aprendamos lições. Que a felicidade não é ser uma pessoa perfeita, ou ter realizações em todos os setores da vida, mas sim, ter a força de conseguir fazer com que as coisas boas, mesmo que mínimas, superem as coisas ruins. E que ter conquistado os corações das pessoas que ama foi o melhor negócio que ela fez na vida. Aquela festa celebrava os sentimentos, a arte de viver."

*____________________________________________________________*

E depois disso, a princesa realmente acordou. Mas hoje, faz questão de repartir e repetir seu sonho com todos, sempre. Porque o Era Uma Vez e o Felizes Para Sempre não existem na vida dela. Mas nem por isso ela deixa de ser uma princesa. A única difernça, é que sua nobreza não se encontra nos pronomes de tratamento, mas sim, em seu coração.
Partilhar

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Discutível perfeição !

Partilhar Aiai, segunda feira... dia internacional de mudar o rumo da vida !
No meu caso, essa foi uma fatídica segunda-feira pós semana de provas. E, para começar bem a semana, é claro que todos os alunos recebem suas provas da semana passada. Neste ponto da minha narrativa,você já deve ter percebido que "começar bem" foi muito irônico da minha parte né? Sim, porque eu não consigo achar que tirar notas baixas em matemática e química seja um ótimo jeito de dar o start na semana.
Enfim, a questão é que às vezes, devido a vários fatores, como pressão, expectativa ou simplesmente fé, cobramos muito de nós mesmos e esperamos o retorno imediato e perfeito dessa cobrança, que sempre pode ser subjetivo. Tá, como assim? Eu explico.
Vamos voltar àquele velho clichê, há males que vem para o bem. Quando estamos muito focados em algum objetivo, seja ele qual for, esquecemos ou não prestamos atenção em muitas coisas ao nosso redor, e, principalmente, em nós mesmos. Será que é realmente aquilo que você quer? Vale mesmo a pena se sacrificar tanto assim? E se a resposta for não, chegamos ao ponto. Dar o peso certo ás coisas é fundamental para ter sucesso, uma vez que é fundamental para saber onde é preciso focar o esforço e esperar o retorno.
Mas e se esse tãao esperado retorno não vier? Bom, então é necessário aprender outra lição, a qual eu aprendi hoje: ser maleável consigo mesmo. Paciência se você se matou de estudar, chegou na hora e...puff. A vida continua, você não é feito só de uma situaçãozinha em que falhou; e o mais importante, o reconhecimento do seu erro e o seu perdão próprio são tudo o que importa. Pois assim, você se torna mais forte e mais preparado para enfrentar esse nosso mundo cão. E para falhar menos. Porque ninguém é a mulher-maravilha nem o super-homem(graças a Deeus) para não falhar nunca! E vamos combinar,ser perfeito deve ser muuito chato! Nenhuma quedinha pra se levantar, nenhuma sacudida na vida pra acordar...nenhuma emoção!
No final das contas, eu prefiro ser um ser humano normal, com todas as minhas qualidades e defeitos, inculsive, a dificuldade em matemática!!

Mas assim, se você conhecer um super-hominho que quebre um galho, me passa o msn... ;D

beeijos
Partilhar

sábado, 12 de abril de 2008

e a palavra chave é... recomeçar ! =)

Partilhar Bom, aqui estou eu, começando meu 2965478 blog. Mas não pense que, depois de taantas experiências blogueiras, está sendo mais fácil agora. Muito pelo contrário. Hoje, com 16 anos, com a certeza que meu futuro está na faculdade de jornalismo e com uma visão diferente de tudo à minha volta, a expectativa que tenho sobre meus textos e meu caminho no mundo dos blogs é muito maior. Nessa conta ainda entra que, depois de quase 3 anos de hiatus, eu não tenho mais conhecimento nenhum sobre html; vou ter que aprender sozinha tuudo de novo, aprender também o que eu nunca soube e arranjar tempo pra tudo isso, já que agora minha prioridade é o vestibular. Um bom tanto de pressão sobre a minha cabecinha né! Mas pelo prazer de escrever, eu prometo me esforçar e me desdobrar pra postar aqui ,frequentemente, minhas melhores opiniões, reflexões e criatividade. Espero que gostem e que, acima de tudo, que me faça bem, esse blog. Porque escrever bem é consequência de pensar bem, e o pensamento de alguém com boa auto-estima e feliz consigo mesmo é o melhor começo posível !

E, só para uma apresentação, vou postar dois textos, cuja autoria eu desconheço, mas que eu me identifico muuito e que foram inspiração pro título desse blog. São eles:

Garotas Lunáticas !
São elas, as garotas aventureiras, poetisas, guerreiras, lunáticas! Passam despercebidas por a maioria das pessoas, porque elas não enxergarem o charme de uma pessoa com inteligência. Gostam de ler, escrever e amam a natureza! Não sem importam com o que os outros falam, não gostam desse sistema de gente que mata por dinheiro, gostam de conteúdo e não de marcas caras e coisas fúteis, viajam longe sem sair de onde estão. Possuem um próprio mundo surreal cheio de amor e doçuras onde elas cantam, pintam, escrevem, amam e encantam. Querem viver de paz, música e amor. Lunáticas têm um jeito diferente das outras garotas tanto no modo de pensar quanto de agir.

Pessoas da alma S
ão elas muito mais ligadas a alma do que as coisas materiais e fúteis. Preferem ver o sorriso sincero de quem ama do que ganhar a bolsa da moda. Preferem ir a parques do que shoppings. Preferem sentir o cheiro das plantas do que dessa poluição da vida caótica das pessoas. Preferem caminhar. Preferem amar. Preferem sentir. Preferem e são pessoas especiais.

fontes: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=39111529 e http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=37816396

beeijos Partilhar