terça-feira, 26 de agosto de 2008

A sinceridade cobra mais barato!

Partilhar Lembra aquela vez que o gatinho da balada disse que tinha te adorado, que ia te ligar, cujo telefonema você espera até hoje? É, sinto te informar, mas ele mentiu pra você. E quando a menina que aparentava ser super amiga sua, revela ser de uma falsidade incrível? Mentirosaaa, da pior espécie. Mas e naquela situação que você falou para os seus pais que ia estudar, mas foi mesmo é pro shopping matar aula? Você se considera no mesmo nível que o gatinho da balada e a amiga falsa? Ou pra você, uma mentirinha boba não faz mal a ninguém?


A mentira tem várias características bem marcantes: tem pernas curtas(mas que podem alcançar dimensões gigantes), tem má fama e tantos adeptos que o mercado de mentirosos está até saturado. Aliás, atualmente os métodos de identificação de mentirosos são bem avançados, até porque eles quase sempre se dividem em dois grupos: os dos bobos que se fazem de espertos e o dos espertos que se fazem de bobos. Mesmo tão manjada, tão velha, a mentira não sai de moda. E o porquê disso é muito simples: a mentira atrai tanto por ser sempre a solução mais fácil para os problemas. Mas no impulso de mentir, as pessoas esquecem que mais fácil nem sempre é sinônimo de melhor!


Pense nas vezes em que te falaram coisas duras, porém verdadeiras. Ou nas vezes em que, por mais difícil que tenha sido, você enfrentou o medo da bronca ou da desaprovação e contou a verdade. O alívio não foi muito maior? Apesar de toda a facilidade que a mentira oferece, é sempre(sempre!) melhor sofrer um pouquinho e ser sincero, pois a longo prazo, a mentira vai cobrar todas as suas supostas vantagens. E em questão de economia, a sinceridade sempre cobra mais barato! hahah ;D


É claro que uma omissãozinha aqui, uma desculpinha ali, serão sem importância nenhuma daqui a pouco. Mas o que você consegue com elas é esquecido rapidamente também, por isso não podemos comparar as situações, cada mentira tem um grau. Já a verdade, mesmo que pequena, sempre traz mais reconhecimento e maturidade. Enfim, acho que eu já defendi bem a honestidade por aqui. Ah, só mais uma coisa: a mentira pesa muitoooo na consciência. E no mundo tão denso em que vivemos, quem tá a fim de carregar mais peso?!






PS: esse texto foi escrito um pouco às 11:45, na aula de química, e outro pouco às 15:30, na aula de física, pois a autora encontra-se extremamente sem tempo. E demorou ainda mais pra escrever essa pauta pro Blorkutando por querer fugir de moralismos e por se considerar sincera. demais.


beeijos Partilhar

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Você é linda, garota, muito linda!

Partilhar
Marina, 15 anos, detesta seus cabelos. Carla, 18 anos, odeia o fato de seus seios não mostrarem aqueele volume nas roupas. Letícia, 17 anos, não usa saias por ter vergonha de exibir suas pernas fininhas. Julia, 16 anos, esconde o sorriso com as mãos. E pensar que elas dão tanto valor ao que, no fundo, é apenas a casca que cobre toda uma personalidade e uma história de vida. Quase sempre lindas e sempre únicas.

Que atire a primeira pedra a garota que nunca brigou com o espelho. Aliás, não atire a primeira pedra não; atire o primeiro gloss, o primeiro delineador, o primeiro sutiã com enchimento. A importância da imagem no mundo atual é por vezes tão grande, que correr o risco de parecer feia aos olhos dos outros pode significar suicídio social.

E sabe que essa não seria uma má idéia? Porque alguém me explica qual é a vantagem de viver numa sociedade competitiva até(e principalmente) na vaidade, que muitas vezes se preocupa mais em botar os outros pra baixo do que melhorar a si mesmo, ou que quando olha pro próprio umbigo, esquece que há um mundo inteiro ao redor merecendo o mesmo respeito e o mesmo direito de ter boa auto-estima? Na minha concepção de uma sociedade agradável de se viver, todos deveriam ter, em sua essência, o orgulho de ser como é, e a delícia de se sentir bem consigo mesmo.

Mas infelizmente, as coisas não funcionam tão facilmente assim. Há duas (árduas) soluções: mudar pra Marte, onde, se existir vida, há grandes chances de os ETs não terem todo o sex appeal dos terráqueos, oou, fazer um esforcinho pra mudar a consciência, nossa, e de meninas como as citadas na introdução. Porque a Marina pode ter cabelo duro, mas um coração super mole; a Carla pode não ter seios fartos, mas um instinto maternal maravilhoso; a Letícia pode ter pernas finas, mas uma determinação que a levará longe; e a Julia, pode não ter o sorriso mais perfeito, mas uma alegria contagiante. Essas são as grandes virtudes que elas possuem, e que devem ser realmente valorizadas. E são por essas qualidades que elas devem ouvir de todos: você é linda, garota, muito linda!

Texto inspirado no vídeo True Colors , campanha da Dove pela auto-estima e verdadeira beleza.Pauta para o Blorkutando :].



PS 1: as meninas do texto são histórias reais, mas os nomes foram trocados pra preservação das identidades(sempre quis falar isso, huashuas =P)

PS 2: desculpeeem a demora pra postar! eu estava(pra variar) sem inspiração e sem muito tempo =P

PS 3: sábado eu fui na Bienal do Livro, aqui em SP. Foi muuuuuito bom! Vi pessoas meega legaais, e tive meu livro autografado pelo Antonio Prata(o título desse texto é inspirado no título de uma das melhores crônicas dele)! Eu tinha que dividir isso com vocês, hausuasuas Nessa foto, Antonio, eu e Lili Prata *_____*(leia-se inspirações e aspirações ;D)
para ver mais, clique aqui!





beeijos
you're beautiful like a raibow!
Partilhar

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Orgulho tímido!

Partilhar

Imaginem a cena: a menina entra no prédio, se escondendo atrás de seus pais, torcendo pra que o elevador esteja vazio, para que ela não precise falar com ninguém. Essa sou eu aos 3 anos. Agora, imaginem essa mesma menina, querendo muuito ir na vendinha do outro lado da rua comprar um chocolate, mas impossibilitada pela sua vergonha, sabe-se lá de que. Essa sou eu aos 10 anos. Só pra acabar, imagine ainda essa menina querendo muito falar com alguém, mas com vergonha de um estranho atender o telefone. Essa sou eu até hoje. Mas não me sinto uma pecadora, ou estranha, tampouco infeliz. Só sinto que essa é, sem dúvida, uma marca registrada minha. E não necessariamente, indica algo bom ou ruim, apenas algo típico meu.
Não sou hipócrita ao ponto de dizer que amo ser tímida. Tantas, mas taaaaantas mesmo foram as vezes que a minha timidez me impediu de fazer coisas banais. É como um bloqueio interno bem forte, que pode te fazer perder oportunidades, coisas legais da vida, e tempo. Muuuito tempo. Mas sorte das tímidas é que esse é um ponto facilmente modificável; basta um pouco de vontade, um pouco de ajuda de terceiros e muuita coragem, e você consegue mostrar que mais forte que esse bloqueio interno é você e as suas vontades!


Mas, já parou pra pensar que a timidez tem vantagens beem consideráveis também? Se não é doentia, a pessoa tímida seeempre tem seu charme! Porque você pode até pensar que não, mas aquela menina que fica quietinha, só observando, ou aquela que fica vermelha com toda e qualquer menção a ela acaba sempre atraindo olhares interessados, curiosos, ou até encantados ;D


Olhando pra aquela menininha que eu era aos 3, 10 e até hoje, eu vejo quanto medo e dificuldade eu passei por causa dessa minha timidez! Porém, hoje conservo dois pequenos orgulhos dentro de mim: o de conseguir passar por cima desse sentimento que me travava e me empacava, e saber que sou capaz de fazer tudo(ou quase tudo) que um extrovertido faz, e o de saber valorizar e aceitar esse traço tão típico meu. Se timidez é qualidade ou defeito, não sei dizer. Prefiro considerar apenas como mais uma característica, beem marcante. As minhas bochechas vermelhas que o digam! ;P
Partilhar