segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Porque a vida é uma obra de arte

Partilhar
Aposto que quando você leu esse título pensou que o texto a seguir se tratava de mais uma das minhas divagações otimistas sobre como a vida é bela e nós devemos sempre aproveitá-la ao máximo e outras tantas baboseiras que eu não me canso de falar. Mas hoje, eu não vou fazer isso. Hoje a baboseira é menos profunda, porém não menos importante (e, vale avisar, beem bizarra).


Sabe aquelas situaçõezinhas cotidianas chatinhas, complicadinhas, e saias justas em geral? Então, você pode não perceber, mas cada um de nós tem um jeito característico de lidar com elas. Eu não só percebi o meu jeito como também consegui encaixá-las em algumas categorias, que, humildemente, é claro, eu chamo de "arte". À seguir, algumas das artes que desempenho no meu dia-a-dia (ah, queria dizer antes que eu vou super entender se você me achar uma louca varrida e desocupada depois desse post e nunca mais quiser voltar aqui. é triste, mas essa sou eu, hahah)


A arte de se esquivar

Não, eu não sou tão antipática e antissocial assim. Essa arte é pra você aplicar àquela povo que fica oferecendo cursos de informática ou pedindo entrevistas e pesquisas na rua ou pra aquele bêbado chato na balada, por exemplo. Nos dois casos, o celular é seu melhor amigo! Se não estiver de posse dele, um andar rápido e um simples "não, obrigada", também funcionam nos dois casos. Há, porém, uma situação mais difícil de lidar: em algum momento da sua vida, sempre aparece aquele cara grudentinho, malinha, mas que, por algum motivo, você não pode dispensar de cara. Esse caso exige bem mais habilidade, lábia, esperteza e delicadeza. Em situações extremas, vale usar o amigo de acompanhante ou usar uma aliança só pra servir de desculpa :P


A arte de conduzir conversas

Se você domina essa arte, tem, por muitas vezes, as pessoas nas suas mãos. Serve muito bem pra entrar naquele assunto difícil, arrancar informações preciosas sem dar na cara e também conversar sobre aquele assunto que você não paara de pensar, mas não quer que ninguém saiba, hehehe. Exige um bom raciocínio lógico pra construir toda uma sequência da conversa, desde o comecinho, com um assunto bobo, até conseguir levá-la até o ponto que você quer. Mas, vou te dizer, se você tiver paciência e o nível de estranheza necessário pra desempenhar esse trabalho, vale muuuito a pena! Uso sempre é é sucesso garantido! (se você é adepta das indiretas, provavelmente vai gostar, hahahah)


A arte de esconder o riso

Essa eu confesso que ainda tenho que aprimorar. Tenho a (forte) tendência de lembrar de episódios de Friends em todas as horas, inclusive nas mais indevidas e clássicas, tipo a aula daquele professor legaal (not) ou o elevador. É inevitável: muita, muita vontade de rir. O jeito é fingir que o nariz ou os olhos estão coçando (fica mais fácil se você tem rinite ou algo do tipo) e logo cobrir o rosto e rir em paz. Se você achar que essa tática está ficando batida, vale também enfiar a cara dentro da bolsa, como quem procura loucamente alguma coisa, ou bancar a feliz e rir na cara dura mesmo. De vez em quando não é pecado, né?


Bom, essas foram as três que eu lembrei agora e que acho que exemplificam melhor essa minha teoria das pequenas técnicas de lidar com situações chatinhas. Pode soar ridículo ou absurdo pra quem lê, mas, de verdade, sobreviver à essas complicaçõezinhas da vida pode ser muito mais divertido quando você encontra modos de superá-las cada vez melhor e de formas mais criativas. Pode parecer bobeira. Talvez seja mesmo. mas quem disse que da bobeira não sai arte? ;D

Partilhar

sábado, 19 de setembro de 2009

Partilhar
Sabe aqueles dias em que, no finalzinho, antes de dormir, você começa a repassar os acontecimentos e pensa: amanhã vai ser melhor; não por otimismo ou pensamentos positivos à la"O Segredo", mas porque pior que hoje, não dá? Ok, talvez você não seja tão paranóica como eu, ou não perca seu tempo repassando o dia antes de dormir, ainda mais depois de um dia que você não teve muito prazer de viver, quanto mais de relembrar. Mas, de qualquer jeito, vê se você me ajuda com essa aqui: como não pensar em coisas chatas que não saem da sua cabeça??

Outro dia, casualmente depois desse dia de cão, eu li uma frase não sei de quem, não sei onde (e ficaria feliz se soubesse), que dizia algo do tipo: se você anda triste, com pensamentos ruins, tente ocupar sua cabeça com outras coisas. Mais especificamente, todo dia faça alguma coisa que te dê medo. Do alto da minha sensatez, eu interpretei essa frase não como um impulso pra que eu me jogue no rio Tietê, ou resolva dar um passeio numa galeria subterrânea cheia de ratos e baratas. Eu acho que tem a ver com curtir o lado bom da vida que, no meu caso muuitas vezes, o medo impede.

Pensando nisso, tentei elaborar uma listinha de coisas que eu/meu medo não me permitia muito fazer, e saiu mais ou menos isso:

- falar tudo que eu penso e sinto vontade sem medo da imagem que as pessoas vão formar de mim, sempre e o máximo que for possível
- depender menos de companhia pra sair; passear mais em lugares que eu adoro, sem compromisso, só pra aproveitar a vida mesmo :)
- tomar coragem, vencer a timidez e sempre matar a curiosidade quando ela aparecer! (exemplo: puxar conversa com aquele hippie que fica no vão do Masp, dizem que ele tem histórias ótimas!)
- encarar programas que não são muito a minha cara em vez de ficar em casa mofando! nem que, para ter a experiência, eu tenha que correr o risco de ficar horas na balada miada aguentando bêbados (é, já aconteceu)
- deixar a ousadia chegar mais, ter menos medo de mudanças. difícil...
- e por último, sorrir mais, arriscar mais e me preocupar menos, bem menos!

Não sei se esse é o melhor conselho que se pode dar sobre como acabar com pensamentos estressantes, mas acho que é suficiente pra perceber que a vida é muito mais que uma fase ruim ou um sentimento que incomoda. A vida tá aí, chamando a gente pra sorrir com ela, a cada dia, cada momento, cada medinho e cada gargalhada. E aí, vamos?


(se você ainda não quiser se arriscar e viver sua listinha, acompanhe a minha saga: hoje cortei um palmo e meio do cabelo e tô indo pra uma balada country! amanhã, quem sabe o que vai ser.. :)
Partilhar

domingo, 6 de setembro de 2009

True Collors

Partilhar
Então, deu branco. De repente, abre-se um espaço enorme na sua cabeça, e quando você percebe, puf! Não tem mais lembrança nenhuma lá. Você, tentando reestabelecer suas conexões mentais, só consegue pensar numa coisa: e agora, comofas??

Eu imagino que deve fazer uma confusão de sentimentos, entre eles desespero, angústia e a sensação de estar perdida num mundo em que nada faz sentido. Mesmo assim, cansamos de ouvir pessoas dizendo que se possível fosse, esqueceriam várias situações pelas quais já passaram. Simplesmente passariam uma borracha e continuariam suas vidas. Será?

Somos hoje o resultado do que um dia fomos, com todas as conquistas, as perdas, as escolhas e as consequências. Para seguirmos em frente, precisamos ter guardadas todas as lembranças do que já fizemos, dos caminhos que já passamos; principalmente os mais tortuosos. Se esquecermos os momentos difíceis que vivemos, esqueceremos junto um bem muito precioso: o aprendizado adquirido.

Eu sei que um momento ruim não é como um sonho bom, que lutamos para não esquecer. Mas, vale lembrar que, às vezes, também sonhamos em preto e branco. Se quisermos um futuro melhor do que esse passado que tentamos apagar da nossa memória, precisaremos de todas as cores; tanto as nossas preferidas quanto aquelas que não gostamos de usar ;)
Partilhar

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

here we go again (and again, and again, and again...)

Partilhar olha, eu juro que essa é a última vez que abandono meu querido blog! sério!
haha, nesse tempo em que me mantive afastada, muita coisa aconteceu. coisas muito legais, outras nem tanto, mas que, de alguma forma, me fizeram reavaliar meu estilo, meus gostos e meu jeito de ser. Por isso, hoje volto a escrever aqui com uma proposta diferente: vou escrever sobre tudo, absolutamente TUDO que tiver vontade! Seja uma questão social super polêmica ou o novo gloss que acabou de sair. A regra agora é não ter regras (e isso soou super rebelde, haha).
Então, já que é assim, vou começar falando sobre algo que eu sou totalmente apaixonada: filmes românticos! (pegaram o trocadilho? ok, essa foi péssima).

Seja uma comédia romântica, seja um romance mais dramático, o fato é que esse é o meu gênero de filmes mais querido. Sempre fui muito romântica e sonhadora, não poderia ser diferente. E, apesar de achar que muitas vezes esse tipo de filme pode ser um pouquinho deprimente pra quem não tem amor pra chamar de seu ou mesmo os figurinos/makes dos filmes, acho que um pouco de esperança e um final feliz de vez em quando não faz mal a ninguém. Então, fiz uma seleção dos filmes que tem um lugar cativo no meu coração. Muitos ficaram de fora, mas se você quer se aprofundar no gênero, esses são essenciais:


Sex and the City - O filme (Sex and the City - The Movie)

Esse é meu preferido dos preferidos! Não tem como não chorar, rir, se identificar e babaar nos figurinos dessas quatro mulheres, que dispensam apresentações. O filme se passa 4 anos depois do fim da série, e na minha opinião é a continuação perfeita! Você se emociona não só com as histórias de amor que cada uma vive, mas principalmente com a amizade indestrutível que elas têm. E claro, o filme tem dois coadjuvantes que fazem toda a diferença: a cidade de NY e um figurino de deixar qualquer mulher encantada.


Três Vezes Amor (Definitely, Maybe)
http://www.youtube.com/watch?v=909qcHvwu14

Já viu algum filme fofo não ter um final previsível? Pois então eu te apresento Três Vezes Amor. O protagonista Will Hayes (o fofo Ryan Reynolds) resolve ceder à curiosidade da filha Maya (Abigail Breslin) e contar como conheceu e se apaixonou por sua mãe. Porém, ele faz isso de forma inusitada: conta sua história com as três mulheres mais importantes de sua vida, trocando os nomes delas, e cabe a Maya descobrir com quem ele se casou. É ótimo pra perceber que: 1 - todos nós erramos, 2- sempre é tempo para ser feliz e 3 - o amor pode ser mais complicado que parece. Lindo, você vai ter vontade de soltar um "owwwwwn" em várias partes!


O Casamento do Meu Melhor Amigo (My Best Friend's Wedding) http://www.youtube.com/watch?v=kPHc5qIsNH0

Clássico! Sabe o que eu mais gosto nesse filme? A protagonista é gente como a gente! Às vésperas do casamento do seu melhor amigo (, jura?), ela confunde sentimentos, tenta ferrar com a noiva, se desespera, enfim, tenta de tudo, claro que sempre com o amigo gay ao seu lado! Julia Roberts arrasa no papel principal e faz desse filme uma comédia romântica de primeira. Com um final bem inesperado :)


Vestida para Casar (27 Dresses)
http://www.youtube.com/watch?v=a309GOYNhNk

Deu pra perceber que eu casamento é um tema que eu gosto bastante ? Jane (Katherine Heighl), a protagonista de Vestida para Casar também. É sempre escolhida pelas amigas pra ser dama de honra (com os vestidos mais absurdos possíveis), mas nunca deixa de sonhar com o dia em que a noiva será ela. Só falta o noivo. É aí que entra Kevin (James Mardsen). A melhor frase que eu já ouvi sobre casamentos está nesse filme. Jane é a personificação do sonho de se casar. Kevin, a personificação do nosso sonho de consumo!

E um filme que eu quero MUITO ver:

Paper Heart

Filme sobre uma menina que resolve fazer um documentário sobre o amor. Simplesmente. A ideia dela é entrevistar as pessoas mais variadas, de todos os cantos do país. O fato é que ela própria não acredita em amor, mas durante as filmagens, conhece o personagem de Michael Cera, e aí...bom, temos que esperar pra ver. Se o filme não for bom, eu já tenho mais um projeto de vida: fazer esse documentário sair das telas do cinema e virar realidade Mas convenhamos, não tem como esse filme não ser bom! Mal posso esperar!

Durante a minha pesquisa pra falar sobre esses filmes, morri de vontade de colocar aí no meio alguns musicais, filmes antigos, filmes de high school, e mais um monte de longas que fazem a gente suspirar. Vou ter que fazer váaarias outras listinhas! Agora que eu estou de volta, ninguém me seguraa! :D
:*
Partilhar

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Eu peco sim, e vou vivendo...

Partilhar
Qual é a graça da vida sem um deslize? Começo o texto com essa pergunta, já que é isso que pecados significam para mim: deslizes que, em dose certa, dão certa graça a nossas vidas. Sempre rejeitei uma noção de vida certinha e totalmente alheia a maus elementos, por achar que a emoção característica dos sentimentos e escolhas incertas tem todo um charme especial!
Além disso, pecados não deveriam ter esse tom tão desprezível, pois são, na verdade, necessários. Como assim? Bem, quem nunca perdeu uma aula importante por causa da preguiça de acordar de manhãzinha, e depois se arrependeu ao ponto de melhorar seus hábitos matutinos, que atire a primeira pedra. E que atire a segunda quem nunca tacou a primeira pedra com toda a força da ira, mas viu que a violência não resolve nada e mudou seus valores. Enfim, eu poderia filosofar e divagar por horas a fio sobre as delícias e as dores de ser um pecador. Mas não creio que chegaria a resposta da pergunta chave desse texto. Então, qual é o meu pecado favorito? Acho que é admitir meu lado pecador e curtir a vida no melhor estilo “aprendendo com os erros e melhorando a cada dia”. E principalmente, sendo muito feliz, mesmo com uma gula aqui, uma vaidade ali. Eu peco sim, e vou vivendo. Tem gente que não peca e está sofrendo, né?
Partilhar

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

There she goes again!

Partilhar
Eis-me aqui de novo! Meses de inatividade, meses só na inutilidade, meses que me fizeram sentir como eu tenho saudade de escrever. Sem desculpas, nem explicações, vou voltar a expor aqui meus pensamentos e opiniões, e é isso que interessa ? ;)


Bom, muita coisa aconteceu nesse tempo que estive ausente. A mais importante delas acho que foi ter entrado pra faculdade. Agora sim, escrever será mais que um hobby, será um trabalho! Finalmente entro pro mundo do jornalismo, profissão a qual, sem querer desmerecer as outras, é a mais fascinante que já inventaram! Nesses primeiros dias de aula, pude perceber que é isso mesmo que eu quero da vida. Mas nem tudo são flores(aliás, acho que as flores ainda estão por vir!).


Pulando a parte do trote, vou direto ao primeiro dia de aula mesmo. Rostos desconhecidos, lugares estranhos e aquela sensação de não entender como eu consegui passar no vestibular, já que naquele momento eu me sentia tão acuada a ponto de não saber como agir, com quem falar e o pior: onde era a saída! O meu consolo foi ver olhos tão perdidos quanto os meus à minha volta. Pois bem, conforme o tempo foi passando, as rodinhas de apresentações foram se formando(e as panelinhas também), eu continuava com aquela sensação. Sentindo falta do colégio, dos amigos, dos professores, daquela vidinha fofa que eu achava tão dura. E foi durante uma distração na pacata aula de teoria da comunicação que eu percebi o quão fraca estava sendo. É claro que primeiros dias, primeiras situações são sempre difíceis de serem enfrentadas, mas por serem assim é que devemos enfrentá-las sempre, do melhor jeito possível. Um tempo para adaptação será necessário, assim como uma boa dose de coragem! Mas isso não é nada perto das recompensas que conseguimos. Me lembrei dos meus primeiros dias de aula no colégio, de como demorou pra que eu tivesse tudo aquilo que hoje eu morro de saudades. E daí tirei forças pra enfrentar a faculdade e fazer dela aquele lugar que, no futuro, vai me fazer ter vontade de voltar no tempo!


PS: visitem o blog da CosmoGirl: http://www.cosmogirl.com/blog/, além do meu post(comenteeeem!), há textos muuito legais mesmo! ;D


beeijos!
Good to be back!
Partilhar