terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Eu peco sim, e vou vivendo...

Partilhar
Qual é a graça da vida sem um deslize? Começo o texto com essa pergunta, já que é isso que pecados significam para mim: deslizes que, em dose certa, dão certa graça a nossas vidas. Sempre rejeitei uma noção de vida certinha e totalmente alheia a maus elementos, por achar que a emoção característica dos sentimentos e escolhas incertas tem todo um charme especial!
Além disso, pecados não deveriam ter esse tom tão desprezível, pois são, na verdade, necessários. Como assim? Bem, quem nunca perdeu uma aula importante por causa da preguiça de acordar de manhãzinha, e depois se arrependeu ao ponto de melhorar seus hábitos matutinos, que atire a primeira pedra. E que atire a segunda quem nunca tacou a primeira pedra com toda a força da ira, mas viu que a violência não resolve nada e mudou seus valores. Enfim, eu poderia filosofar e divagar por horas a fio sobre as delícias e as dores de ser um pecador. Mas não creio que chegaria a resposta da pergunta chave desse texto. Então, qual é o meu pecado favorito? Acho que é admitir meu lado pecador e curtir a vida no melhor estilo “aprendendo com os erros e melhorando a cada dia”. E principalmente, sendo muito feliz, mesmo com uma gula aqui, uma vaidade ali. Eu peco sim, e vou vivendo. Tem gente que não peca e está sofrendo, né?
Partilhar

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

There she goes again!

Partilhar
Eis-me aqui de novo! Meses de inatividade, meses só na inutilidade, meses que me fizeram sentir como eu tenho saudade de escrever. Sem desculpas, nem explicações, vou voltar a expor aqui meus pensamentos e opiniões, e é isso que interessa ? ;)


Bom, muita coisa aconteceu nesse tempo que estive ausente. A mais importante delas acho que foi ter entrado pra faculdade. Agora sim, escrever será mais que um hobby, será um trabalho! Finalmente entro pro mundo do jornalismo, profissão a qual, sem querer desmerecer as outras, é a mais fascinante que já inventaram! Nesses primeiros dias de aula, pude perceber que é isso mesmo que eu quero da vida. Mas nem tudo são flores(aliás, acho que as flores ainda estão por vir!).


Pulando a parte do trote, vou direto ao primeiro dia de aula mesmo. Rostos desconhecidos, lugares estranhos e aquela sensação de não entender como eu consegui passar no vestibular, já que naquele momento eu me sentia tão acuada a ponto de não saber como agir, com quem falar e o pior: onde era a saída! O meu consolo foi ver olhos tão perdidos quanto os meus à minha volta. Pois bem, conforme o tempo foi passando, as rodinhas de apresentações foram se formando(e as panelinhas também), eu continuava com aquela sensação. Sentindo falta do colégio, dos amigos, dos professores, daquela vidinha fofa que eu achava tão dura. E foi durante uma distração na pacata aula de teoria da comunicação que eu percebi o quão fraca estava sendo. É claro que primeiros dias, primeiras situações são sempre difíceis de serem enfrentadas, mas por serem assim é que devemos enfrentá-las sempre, do melhor jeito possível. Um tempo para adaptação será necessário, assim como uma boa dose de coragem! Mas isso não é nada perto das recompensas que conseguimos. Me lembrei dos meus primeiros dias de aula no colégio, de como demorou pra que eu tivesse tudo aquilo que hoje eu morro de saudades. E daí tirei forças pra enfrentar a faculdade e fazer dela aquele lugar que, no futuro, vai me fazer ter vontade de voltar no tempo!


PS: visitem o blog da CosmoGirl: http://www.cosmogirl.com/blog/, além do meu post(comenteeeem!), há textos muuito legais mesmo! ;D


beeijos!
Good to be back!
Partilhar